Como um pescador transformou 80 dólares numa fortuna de 1,1 mil milhões

Detectamos que usa um AdBlock

Utilizamos anúncios para ajudar a manter o nosso site, considere desativar o AdBlock (bloqueador de anúncios) no nosso site para poder ver os conteúdos.

Os nossos anúncios não são intrusivos!

Bundrant, fundador e accionista maioritário da Trident Seafoods, tem um património de pelo menos de 1,1 mil milhões de dólares. Uma fortuna que deve-se a uma boa dose de coragem.

Chuck Bundrant estava no primeiro ano da faculdade e tinha 80 dólares nos bolsos quando atravessou metade dos EUA e chegou a Seattle para ganhar uns dólares na pesca. Estávamos em 1961 e Bundrant nunca mais parou de pescar.

E hoje, Bundrant, fundador e accionista maioritário da Trident Seafoods, tem um património de pelo menos de 1,1 mil milhões de dólares, segundo o Índice de Bilionários da Bloomberg. Essa fortuna deve-se a uma boa dose de coragem. No início da década de 1980, convenceu os americanos a comer escamudo (na altura um peixe que era considerado sem valor) nos restaurantes de comida rápida e até hoje a Trident o vende – junto com salmão e bacalhau – a redes como Costco e Safeway.

O índice da Bloomberg calcula que Bundrant seja dono de 51% da Trident, empresa não cotada que no ano passado atingiu receitas de 2,4 mil milhões de dólares, segundo informações recolhidas junto de associações do sector. A Trident está avaliada pelo índice da Bloomberg em cerca de 2,1 mil milhões de dólares mediante as comparações com cinco empresas cotadas, como a Clearwater Seafoods e Oceana Group. A Trident opera cerca de 16 instalações de processamento e 41 navios pesqueiros – e insiste em preservar a sua independência.

“Não respondemos a bancos de investimento, como algumas outras empresas de pescado”, afirma a companhia no seu site. “Respondemos apenas aos nossos clientes, nossos pescadores e nossos funcionários.”

Bundrant não quis comentar. Nomeou o seu filho Joe como CEO em 2013 e não está envolvido na gestão do dia-a-dia, mas o seu velho amigo Brent Paine, director executivo da United Catcher Boats, uma associação do sector, lembra-se dele como uma pessoa “que assume riscos enormes, com uma mente aberta às oportunidades”.

A lenda

Como contou a publicações de Seattle e no site da Trident, Bundrant estava de folga de um programa preliminar de veterinária no Tennessee quando viajou para Seattle. Acabou por ir parar a Bristol Bay, no Alasca, onde dormia no cais e aceitava qualquer trabalho que conseguisse arranjar.

Após alguns anos, Bundrant queria abrir uma empresa no sector. Conheceu dois caranguejeiros – Kaare Ness e Mike Jacobson – e em 1973 os três juntaram dinheiro e construíram um barco de 41 metros que revolucionou o sector das pescas, segundo o histórico empresarial da Trident.

No início da década de 1980, as reservas de caranguejos estavam a começar a diminuir e Bundrant decidiu passar para o escamudo, um “peixe de fundo” abundante no mar de Bering. O escamudo era popular na Ásia, mas não nos EUA. Bundrant achava que os americanos gostariam do sabor se o provassem.

Vendas

A primeira venda foi à rede Long John Silver’s. Numa apresentação, Bundrant serviu o peixe ao CEO do restaurante, que observou que tinha adorado o bacalhau – que, na verdade, era escamudo.

Isso abriu as portas para fazer negócios com o McDonald’s e o Burger King, e com retalhistas como a Costco, usando o escamudo, que é mais barato, em sandes, pratos de peixe com batata frita e imitações de molho de caranguejo.

Hoje, os negócios da Trident são apoiados por um mercado pesqueiro em rápido crescimento porque os consumidores procuram incorporar proteína saudável à dieta, segundo um estudo da ONU. Um índice de preços de peixes, o Oslo Seafood Index Global, deu um salto de mais de 300% nos últimos cinco anos, com o impulso da crescente procura por salmão e dos preços mais altos.

Chuck Bundrant sempre gostou de Henry Ford, segundo Paine. “Uma vez disse-me: ‘Todo o sector precisa de um líder forte, isso ajuda as pequenas empresas. Eu sou esse grande líder’.”

Este artigo foi publicado originalmente no Jornal de Negócios

Recomendado pelo Informa+

Qual a sua opinião?