“Vai para o carro para que não te comam”, diz idosa atacada por cães à filha

Detectamos que usa um AdBlock

Utilizamos anúncios para ajudar a manter o nosso site, considere desativar o AdBlock (bloqueador de anúncios) no nosso site para poder ver os conteúdos.

Os nossos anúncios não são intrusivos!

Uma mulher de 82 anos foi atacada por dois cães, no sábado, em Covelo, na Galiza, quando saía da missa. A mulher está internada em Vigo em estado grave.

María Dolores estava a caminho de casa, depois de assistir à missa em Santa Mariña, quando foi surpreendida por dois cães, um bóxer e um dogue de Bordéus, que estavam soltos. A mulher terá tentando escalar uma muro baixo que dá acesso à sua propriedade, mas os animais, que pertencem a uma vizinho, conseguiram atirá-la ao chão, arrastando-a cerca de 30 metros.

Os dois cães morderam-na repetidamente e arrancaram carne de ambas as pernas. Entre as lesões graves com que ficou, a idosa foi amputada das duas pernas por baixo do joelho.

Quem a encontrou foi a própria filha que ficou preocupada por a mãe não atender o telefone. “Vi um vulto no chão e os cães a atacarem”, disse Concha Martinez, ao jornal “Faro de Vigo”. Apesar da gravidade das lesões, a mulher ainda alertou a filha:”Vai para o carro para que não te comam”.

A filha pediu auxílio e um cunhado acabou por chegar, quando os cães abandonaram o local. O dono dos animais não estava em casa e foi um familiar que disse que os cães tinham fugido. Viúva e com seis filhos, os médicos informaram a família que a situação da mulher é de extrema gravidade.

Na sequência do ataque, a idosa perdeu muito sangue e sofreu várias lesões internas, agravadas por sofrer de diabetes.

De acordo com o jornal, as primeiras pesquisas apontam para que nenhum dos animais tenha “microchip” e estão sem documentos. Além disso, fontes municipais confirmam que os cães não estavam no livro de registos dos animais potencialmente perigosos. Inicialmente ficaram na casa do dono, mas as autoridades pretendem retirar os animais da casa.

Este artigo foi publicado originalmente no Jornal de Notícias

Qual a sua opinião?