Vítimas dos incêndios sem apoios do Estado

Detectamos que usa um AdBlock

Utilizamos anúncios para ajudar a manter o nosso site, considere desativar o AdBlock (bloqueador de anúncios) no nosso site para poder ver os conteúdos.

Os nossos anúncios não são intrusivos!

Daniel recebe o salário mínimo. Raquel é desempregada. Com eles os três filhos, Guilherme, Joana e Gustavo, de 9 e 5 anos e 10 meses.

Perderam tudo no fogo que chegou como “bombas a cair do céu”, a 15 de outubro, à aldeia de Treixedo, Santa Comba Dão.

Os bens de uma vida de sacrifício ficaram em cinzas. Eles salvaram-se “só com a roupa no corpo”, conta Guilherme.

Vivem agora numa casa emprestada. Com comida, roupa, brinquedos e livros emprestados. Do Estado nada lhes chegou.

Naquela noite em Treixedo, foram todos cedo para a cama. “Tinha faltado a luz”, conta Alice, 58 anos. Foi o sono leve de Raquel, de 26, a salvar a família.

“Eram 23h00 e ouvi os vizinhos a gritar… Já vinha lá o lume. Eles dormiam ferrados. Se não tivesse acordado, ficávamos aqui. Foi segundos…”, conta, recordando que não se viu um bombeiro ou GNR: “Eles não conseguiam passar.

Só às 07h00 apareceram uns militares”. O fogo caía do céu e andava pelas ruas varrido pelo vento. Foram destruídas nove casas de primeira habitação.

Em Treixedo, ninguém morreu graças a Armando Roque, 53 anos, antigo emigrante em França. “Vi a serra vermelha e já tudo ardia. Coloquei mais de 20 vizinhos na loja [armazém] por ser forrada a placa.

Molhei as paredes, tapei os buracos. Os idosos sossegaram a rezar o terço pelos dedos. Se eles morressem, eu tinha de morrer com eles.

Fui eu que os meti aqui…”, recorda. A sua casa foi uma das que ardeu. Três semanas após o fogo, pouco ou nada ainda se mexeu no entulho.

Do Estado, zero. “Vou ter que sair outra vez lá para fora [emigrar]. Vou recuperar a casa”, assegura Armando.

Este artigo foi publicado originalmente no Correio da Manhã

Qual a sua opinião?