Web Summit: 150 ‘startups’ portuguesas vão ter 50% de desconto no bilhete

Detectamos que usa um AdBlock

Utilizamos anúncios para ajudar a manter o nosso site, considere desativar o AdBlock (bloqueador de anúncios) no nosso site para poder ver os conteúdos.

Os nossos anúncios não são intrusivos!

Cento e cinquenta ‘startups’ nacionais vão ter bilhetes a metade do preço para Web Summit, em Lisboa, e campos de treino (‘bootcamps’) de preparação para a cimeira tecnológica e de inovação, que pelo 2.º ano decorre em Lisboa.

Depois de em 2016 ter garantido participação gratuita a 67 empresas com grande potencial de crescimento (‘startups’), a iniciativa Road 2 Web Summit oferece este ano um desconto de 50% a 150 ‘startups’ que se qualifiquem para aceder aos passes Alpha da Web Summit, foi hoje anunciado.

O secretário de Estado da Indústria, João Vasconcelos, referiu que as 150 empresas, além de descontos, vão beneficiar de “acesso gratuito a sessões de preparação, onde podem aprender como aproveitar ao máximo a sua presença num evento que traz a Portugal alguns dos melhores investidores, jornalistas, empresários e CEO [presidentes executivos] do mundo”.

Pela Web Summit, o responsável pelas ‘startups’, Paddy Griffith, manifestou contentamento por uma nova colaboração com a Startup Portugal, iniciativa nacional de apoio aos empreendedores.

“A Web Summit é o mais importante evento para ‘startups’ do mundo, com mesas redondas e programas como o Mentor e as Office Hours, que ajudam a pôr as ‘startups’ em contacto com mais de 1.500 investidores dos maiores fundos do mundo”, referiu Paddy Griffith, acrescentando ter grande expectativa para “ver quem se candidata este ano”.

As candidaturas estão abertas através da morada: websummit.com/road-web-summit até final de agosto, estando previsto o anúncio dos vencedores até 15 de setembro.

A Web Summit é uma conferência global de tecnologia que se realiza anualmente em Lisboa, esperando-se este ano mais de 60 mil participantes de 170 países, incluindo mais de 20 mil empresas, sete mil CEO e dois mil jornalistas.

Nove portugueses integram a lista dos primeiros 200 oradores anunciados para a conferência, no mês de novembro, estando entre os ‘repetentes’ o comissário europeu português, Carlos Moedas, o antigo primeiro-ministro e presidente da Comissão Europeia, Durão Barroso, o antigo futebolista e empresário Luís Figo, o surfista Tiago Pires, o administrador executivo do Benfica, Domingos Oliveira, e o presidente da empresa Veniam, João Barros.

Também a repetir presença estarão José Neves, fundador e presidente executivo da Farfetch, e João Guerra, cofundador da Dream Factory Network.

Como estreante e ‘cabeça de cartaz’ surge o banqueiro António Horta Osório, responsável máximo do Lloyd Banking Group.

Estima-se que a edição de 2016 da Web Summit tenha injetado 200 milhões de euros na economia nacional, sendo um quarto desse valor absorvido pela indústria hoteleira e 50 milhões pelos diversos fornecedores diretamente ligados ao evento.

Segundo informação oficial disponibilizada, desde 2010, as ‘startups’ portuguesas que se apresentaram na Web Summit já angariaram mais de 78 milhões de euros. Segundo dados da Startup Europe Partnership, esse valor representa cerca de um terço do total de 273 milhões de euros angariados pelas empresas desde 2010.

Em 2016 registou-se uma captação de 21 milhões de euros.

Recomendado pelo Informa+

Qual a sua opinião?