in

Campanha alerta para o cancro do Pulmão: “Não há dois pulmões iguais. Não há dois cancros iguais”

Campanha alerta para o cancro do Pulmão: “Não há dois pulmões iguais. Não há dois cancros iguais”
Pulmonale, Associação Portuguesa de Luta Contra o Cancro do Pulmão

Sob o mote “Não há dois pulmões iguais. Não há dois cancros iguais”, a Pulmonale, Associação Portuguesa de Luta Contra o Cancro do Pulmão, lança hoje, 03 de novembro, uma campanha de sensibilização para a heterogeneidade do cancro do Pulmão.

Esta iniciativa conta com a participação da embaixadora Helena Costa, que, através do seu testemunho real e em conjunto com três outros doentes, promove o diálogo sobre o tema. Para tal, foram registados três vídeos – três conversas com testemunhos de diferentes experiências no combate à doença –, que serão publicados ao longo do mês nas redes sociais da embaixadora e da Pulmonale. Os vídeos serão divulgados nos dias 03, 17 e 25 de novembro.

No mês de sensibilização do cancro do pulmão, novembro, o objetivo da iniciativa da Pulmonale é destacar a importância da singularidade de cada situação, incluindo as características de cada doente e de cada doença. Globalmente pretende-se salientar que as diferentes situações implicam diferentes necessidades no cuidado ao doente com cancro do pulmão. Com esta campanha, a Pulmonale apela ao envolvimento, informação e participação do doente na jornada da doença, em estreita relação e colaboração como a sua equipa de saúde. Porque existem vários tipos de cancro, com abordagens de diagnóstico e tratamento distintas, diferentes evoluções e prognósticos.

“O cancro do Pulmão é o cancro responsável por 11,6% de todos os casos de cancro. Em 2020, em Portugal, de 5.400 novos diagnósticos desta doença, 4.797 resultaram em mortes. Tendo em atenção estes números, é crucial apostar na sensibilização para a importância do diagnóstico, mas, sobretudo, informar as pessoas acerca do facto de cada pulmão ser único e, por isso, cada cancro ser distinto, com diferentes particularidades e diferentes necessidades no cuidado do doente com cancro do pulmão.”, afirma Isabel Magalhães, presidente da Pulmonale.

Sugestões para ti